MINHA VIDA

MINHA VIDA
NOSSO MONTINHO PERFEITO

NOS ACOMPANHE!!!

Quantos passaram por aqui

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

A INDEPENDÊNCIA DOS FILHOS E OS MIMIMIS



Hoje uma amiga minha postou um texto no facebook, de uma mãe que se dizia preguiçosa,egoísta e despreocupada.
Claro, como tudo o que tem acontecido no face, em poucos minutos um monte de mães comentou o post com críticas, compreensão ou curiosidade mesmo. Depois de ler, também entrei para a turma das mães dos comentários.
Foi então que resolvi escrever esse post, pois comecei a questionar algumas decisões de mães e palpites das palpiteiras de plantão.
Ninguém sabe a necessidade e/ou a vontade da outra. Esse filho é meu, nasceu do meu ventre e será criado na minha família, então NÃO faz sentido ele seguir o que VOCÊ acha que é bom pra ele, certo? Certo!
Tive a sorte (depende do ponto de vista de cada um. Rsrsrs) de ter engravidado de 4, assim, pouquíssimas pessoas tiveram coragem de se meter na minha forma de conduzir a maternidade. As mães de filho único bebezinho, então, me viam como algum tipo de Deus. Sempre diziam (ainda dizem) que me admiravam, como eu conseguia e blá blá blá. Nesse ponto, ótimo, pois essas são as que mais palpite dão, pois as mais velhas já esqueceram muita coisa da prática.
E então 36dias após a UTI, finalmente fui para a casa com 4 bebês e oficialmente me tornei uma mãe de primeira viagem. Minha primeira viagem já foi bem longa, com várias escalas e conexões, que me fizeram ficar expert em viagens, né?
Implantei a MINHA rotina, as MINHAS regras e a MINHA forma de maternar. No dia a dia, nas dificuldades, que iria descobrir o que funcionava bem e o que precisaria mudar.
Logo na primeira noite, cada um foi para o seu berço (depois de me informar no hospital, na UTI e com meu pediatra), ninguém foi ninado no colo e nada aconteceu! A única coisa que aconteceu, foi que deu certo, foi bom para todos e seguimos dessa maneira até sempre! Já imaginou, se eu tivesse que  ninar 4 filhos? Obvio que não, afinal, seria enlouquecedor. Eles não conheceram essa outra forma de dormir, então, entendiam que aquela era a hora e o único jeito que tinha.
Se não choravam? Claaaaaro que choravam, já conheceu alguma criança que não chora? Inclusive, esse é o sinal que está vivo, assim que nasce. Chorar faz parte da vida de um bebê. Choro normal, de manha, não mata ninguém. Pouco tempo de chorinho e cada um caía para o seu lado, dormindo tranquilamente.

E então, com o passar dos meses, fui avaliando o que seriam capazes, o que podia ensinar, para dar um pouco independência de acordo com a idade. Com poucos meses, por uma questão óbvia de facilitar a vida de todos e agilizar a mamada dos 4, para que eles não começassem o festival de choro, ensinei a segurar sua própria mamadeira! Foi maravilhoso, minhas costas agradeceram e a fome deles tb! Assim foi, com o passar dos anos. Aprenderam a comer sozinhos, a tomar no copinho, a usar o banheiro, a tomar banho, a s vestir... cada coisa no tempo deles e no meu, pois filhos precisam que alguém para guiar.

Até hoje sigo com essa teoria, que coloco em prática diariamente. São independentes de acordo com a idade deles (muitas vezes um pouco mais que amiguinhos da mesma idade) e não sofrem nenhum problema psicológico, por acharem que negligenciei em algum momento, pelo contrário, sempre querem fazer mais coisas sozinhos!


Hoje estão com 7 anos, deixo que façam o café sozinhos quando me pedem e, muitas vezes, ainda sou surpreendida com uma bandeja com tostex na cama.  Com certeza um carinho desse, não viria de filhos que não receberam amor ou foram negligenciados, né?
Nossos filhos precisam crescer e quanto mais souberem e estiverem preparados, menores serão as surpresas e dificuldades.
Acredite, se ele aprendeu é porque foi capaz, não porque você foi preguiçosa e passou para ele, uma “função” que era sua.