MINHA VIDA

MINHA VIDA
NOSSO MONTINHO PERFEITO

NOS ACOMPANHE!!!

Quantos passaram por aqui

terça-feira, 5 de maio de 2015

QUER AMAMENTAR? INDEPENDENTE DE QUANTOS FILHOS, ISSO É POSSÍVEL!

Uma duvida e constante insegurança da maioria das grávidas, principalmente para as mães de primeira viagem, é a amamentação.
Se para quem está esperando um bebê, essa dúvida já é uma incógnita, para as mães de múltiplos então, parece como algo quase que impossível de se realizar.
Quando engravidei, confesso que não foi algo que me preocupou muito, principalmente porque, como citei acima, nem imaginava que conseguiria fazer isso por um período longo, que tivesse alguma diferença para o recém-nascido. Porém, estava super enganada! Além de descobrir que era possível, me preparei muito para o momento e não tive nenhum problemas de rachaduras, dores, leite empedrar, nada disso.
Como meus filhos seriam prematuros, aproximadamente no meu quarto mês de gestação, iniciei um acompanhamento com a Maria Alvim, enfermeira de aleitamento materno, que me deu todas as dicas de como produzir mais leite, como fazer a pinça, como me preparar para evitar os machucados e como ter uma amamentação tranquila, algo muito importante também para  o bebê, além dos nutrientes do leite materno.
            Já naquela fase, ainda com poucas semanas, comecei a hidratar e puxar o bico do meu seio com LANSINOH, uma pomada a base de lanonina, que auxilia na elasticidade e hidratação da mama.
            Até o dia do parto, fazia movimentos circulares passando a pomada e puxando levemente o bico, para prepara-lo para a sucção do recém-nascido, que no meu caso seriam sucções, de formas diferentes de pegadas.
            No período de APOJADURA, fase em que o leite começa a descer, fui orientada pela Maria Alvim a fazer massagens leves, evitando nódulos que pudessem obstruir a descida do leite, permitindo que ele empedrasse, causando dores e desconfortos.
            Como meus filhos nasceram com menos de 33 semanas e pouco peso, eles não podiam mamar no peito imediatamente, até porque um feto só aprende a sugar a partir da 34 semana. Durante duas semanas, a alimentação deles foi através de sonda, em poucos mls, começando com 3 mls a cada 3 horas.
            Isso até me deu uma dúvida se seria capaz de continuar produzindo leite suficiente para eles, então passei a estimular cada vez mais, tirando no banco de leite a cada 3 horas e em casa, mesmo durante a noite, acordando nos horários de mamadas e congelando no vidro correto - de vidro com tampa de plástico.
            Quando foi possível iniciar a amamentação, quebrei mais um mito, o de que o bebê que pega a mamadeira, não volta mais para o peito. No meu caso, essa afirmação foi absolutamente falsa, pois os 4 mamavam na mamadeira e no peito, já que não seria possível que eu produzisse leite suficiente para uma amamentação exclusiva.
            A produção foi tão grande, que após a alta do meu quarteto, com 36 semanas, doei para o banco de leite 16 garrafas.
            Ao chegar em casa, continuava com o sistema peito e complemento, mas dava exclusivo para um a cada mamada. Com isso, o peito era estimulado a cada 3 horas a produzir grande quantidade de leite. No banho, com a água morna, fazia massagem e apertava para tirar um pouco de leite, fazendo descer ainda mais, pois além da água morna ajudar a desfazer nódulos, a “ordenha” faz com que o organismo entenda que precisamos produzir.
            Para que isso fosse possível, além de tomar muitos litros de água, ainda alternava entre alguns litros do CHÁ DA MAMÃE, 
 da Weleda, também sugerido pela minha enfermeira de aleitamento. Consegui amamentar por 5 meses e parei por opção, pois voltaria a trabalhar e não teria tempo para amamentar os 4, já que durante a noite, dava só o complemento para todos.

            Seguindo algumas dessas dicas, se hidratando e se alimentando bem, preparando o bico e mantendo a tranquilidade, provavelmente você conseguirá oferecer ao seu bebê uma quantidade significativa do seu leite.